quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Crônica - Amigo do Peito


   Estava eu me preparando pra sair para o serviço, quando por um momento sinto uma pontada no peito. Me desesperei logo e corri pra sentar imaginando ser um ataque ou apenas gases mesmo, mas fiquei tranquila em segundo, foi só meu sutiã que havia rasgado. 

   Pra você caro colega, o que é um sutiã rasgado, não é mesmo?! Apenas menos uma peça no guarda-roupas. Mas pra mim, foi o final de uma longa parceria. Quem usa o dito cujo sabe muito bem, é tão difícil achar um amigo assim, que não te machuca e te ajuda no dia-a-dia, que não marca numa camisa de pano fino e não fica querendo aparecer quando quero vestir uma camisetinha. Pra mim foi uma tristeza danada dar adeus ao meu bom companheiro, mas fazer o que, precisava achar um novo sutiã, um que me ajudasse assim como esse fazia.

 No meio do almoço daquele mesmo dia, ainda usando o sutiã rasgadinho, com aquela ponta momento furando minha pele e me fazendo querer matar a quem eu via em minha frente, fui visitar algumas lojas. E lá se foram uma, duas e até três lojas e nada de achar um sutiã BBB (o famoso: bom, bonito e barato). Naquele momento, resolvi usar meu trunfo e ligar pra quem poderia me ajudar bastante, liguei pro namorado. Bem, uma garota normal ligaria pra mãe ou até pra melhor amiga, no meu caso, as duas estavam meio longe e então decidir pedir a ajuda dos universitários. 

 Dentro de meia hora lá estava ele, constrangido por estar numa seção feminina e por ter que me dar ajudas numa coisa tão íntima, eu por outro lado estava menos estressada por saber que alguém iria me ajudar. ''Meu bem, o que acha desse?" eu perguntava de dois em dois segundos, em frenesi por ter tantas cores e formatos a minha frente. "Eu acho que isso é meio pequeno, não acha?" Imagine você, a cara de desconforto do homem, que me fez ir experimentar o sutiã azul cheio de estrelas. Ficou pequeno. Fiquei desapontada. 

Como assim eu tinha crescido tanto? Teria eu engordado? Parece que sim, e por incrível que pareça aquele era o maior número da seção, e eu já não sabia o que fazer. Eu já estava pra ir embora quando ouço a voz do namorado me chamando baixinho: "Oi, porque você não viu esses aqui?"
Minha indignação foi tanta que nem soube o que responder. Como assim provar esses daí, esses com rendas e bojos maiores? Com cores sóbrias e alças mais largas? Não, não e não! Essa aí e a coleção adulta, não posso usar essas coisas tão sexy. 

Depois de algum tempo choramingando, dei meu braço a torcer e lá fui eu experimentar o bendito sutiã, 44, tamanho adulto, cheio de rendas e etc. Momentos de tensão até conseguir fechar e me olhar no espelho, naquele momento eu era pura ansiedade e nervosismo. 

Bem, felizmente tenho que te dizer que foi a melhor escolha da minha vida. Ao fechar ele, foi como se eu tivesse sido abraçada por um grande urso. Me senti tão confortável, e segura. Além do que, me senti sexy, como eu nunca vi antes. Que poder um sutiã tem não é? Achei um amigo que me ajudava, me sustentou e ainda me sinto mais mulher, mais poderosa. Que loucura colega, que loucura.




Fonte


Nenhum comentário:

Postar um comentário